Drink BEBA COM INTELIGÊNCIA

Ingredientes:

  • 40 ml de Aguardente* 54%  Porto do Viana infusionado com caju in natura;

  • 20 ml de Jerez fino;

  • 20 ml de licor de castanha do Pará com especiarias e casca cítrica;

  • Guarnição: Broto de agrião.

  • Copo: Taça coupe. (foto copo)

  • Gelo: Cubo

Método de Preparo Coquetel: Coloque dentro de um copo grande todos os ingredientes; mexa e coe dentro de uma taça com gelo. Decore com broto de agrião.

Descrição Sensorial: Frutado, encorpado e condimentado.

 

Infusão Ingredientes

 

Aguardente Porto do Vianna 54% Vol. com caju:

  • 01l de Aguardente Porto do Viana 54% Vol *;

  • 500 g de caju.

Método de preparo: Após higienizar os cajus, retire as castanhas; corte em três partes a poupa do caju e deixe infusionado na aguardente 54% Vol Porto do Vianna, por um dia. Coe bem e coloque na garrafa original.

Licor de castanha do Pará com especiarias:

  • 500 ml cachaça Porto do Viana Tradicional (branca);

  • 300 g Castanha do Pará fresca;

  • 80 g Pimenta da Jamaica;

  • 150 g Gengibre fresco, limpo e fatiado;

  • 100 g Semente de Amburana;

  • 10 g cumaru**;

  • 40 g Casca de limão taiti ralado;

  • 2 g   Puxuri***;

  • 150 ml Xarope de Açúcar.

Método de preparo: Deixe infusionando todas as especiarias com a cachaça por uma semana em um lugar seco e escuro. Coe e misture com o xarope de açúcar.

Xarope de açúcar 1x1:

  • 1 kg de açúcar;

  • 1l de água filtrada.

Método de preparo: Dentro de uma panela coloque os ingredientes e mexa bem a fogo médio; quando dissolver todos os açúcares e começar a ferver, desligue o fogo. Deixe esfriar e engarrafe.

27 ABV (alcohol beverage volume)****

(*)Aguardente: A aguardente de cana de açúcar foi o primeiro e, por séculos, o destilado mais produzido e consumido em terras brasileiras. Com suas origens datada do final do século 15,  surgiu juntamente com os primeiros engenhos de açúcar colonial.  O açúcar colonial foi a primeira riqueza produzida em terras do Brasil sendo os produtos antes do açúcar fruto de extrativismo. A aguardente de cana tem sua história cravada junto a cachaça que até o ano 2.000, portanto, por quase 500, anos tidas como um só produto, uma só bebida. Separadas somente pela legislação que não reconhecia na cachaça o status de bebida destilada. Usava o nome Aguardente de Cana para nomear o Destilado Brasileiro. O aguardente pode ser do fermentado destilado de caldo de cana, melado rapadura, ou ainda usando como base um destilado primário com até 70% de Vol. Nesse caso, necessita-se diluí-lo para ficar dentro da legislação que permite esse destilado ficar entre 38% e 54% de Vol. A cachaça só do mosto da cana com graduação alcóolica entre 38% e 48% Vol.

 

(**) Cumaru: A semente de Cumaru, conhecida também como fava tonka, é proveniente de uma grande árvore nativa da região amazônica. Aromática e com cheiro adocicado, substitui a baunilha em preparações.

(***) Puxuri: A natureza juntou cravo, canela e anis-estrelado em um ingrediente. Nativo da região amazônica. Substitui a noz-moscada.

(****)ABV: indica o nível alcóolico do coquetel após seu preparo conforme a receita, acima.

Lorem Ipsum

AGUARDENTE PORTO DO VIANNA 54% VOL.